segunda-feira, 29 de abril de 2013

Dizer ou não dizer ?

Via André Letria

Eu a conversar com uma amiga:
- Sou sincera e directa, costumo dizer o que penso.
- Ah, eu tenho muito cuidado com o que digo, tenho medo de ferir a sensiblidade das pessoas.
- Ainda bem para ti, deve ser melhor ser assim; porque há quem não goste de sinceridade, e acham-me fria e insensível.
- Mas a mim também me chamam fria e insensível!
-Ah?! De qualquer forma nunca conseguiremos agradar a todos.

Não adianta...!

Tenha uma óptima semana!


sexta-feira, 26 de abril de 2013

Receita para o fim-de-semana: Pudim de Leite


Eu queria um pudim simples e prático. Mas muito bom. Queria também que rendesse, pois tínhamos convidados para o almoço; por isso, resolvi experimentar esta receita, apenas a dobrei.

Superou em muito as minhas expectativas, é um pudim macio e leve. E simples e prático, tal qual eu pretendia. Para fazer naqueles dias em que não há tempo para nada demorado e elaborado. A apresentação é magnífica. Recomendo!

Pudim de Leite*
Ingredientes:
2 dl leite
250 g açúcar
4 ovos
1 c. sopa farinha maizena
raspa da casca (1 limão)
q.b. caramelo líquido
  
Como fazer:
1. Batem-se os ovos.
2. De seguida junte aos ovos, o leite, o açúcar, a farinha Maizena e por fim, o limão.
3. Querendo pode substituir-se o limão por raspa de laranja, ou essência de baunilha.
4. Coze-se em banho-maria, em forma barrada com açúcar em caramelo.


 * Receita retirado do Petiscos.com

Tenha um doce fim-de-semana!

quarta-feira, 24 de abril de 2013

" Concertos promenade "


"Concerto Promenade é sinónimo de festa, alegria, juventude, prazer, convívio e Música. Para todas as idades e gostos". in

Num destes fins-de-semana fomos assistir ao concerto "Pedro e o Lobo" no Coliseu do Porto. A motivação primeira era a participação de uma sobrinha, na orquestra, no entanto, ficamos rendidos a este conceito dos Concerto Promenade.

Cada concerto é executado por uma orquestra e maestro diferentes. A acompanhar o concerto, um apresentador vai dando explicações e imagens são projectadas, para explicar a história, motivar e prender a atenção dos mais pequeninos. Porque estes concertos são sobretudo para eles.

As idas ao cinema são muito comuns para as crianças pequenas, mas não os concertos de música clássica. Os pais acham que as crianças não serão capazes de se manterem tranquilas neste tipo de espectáculo, mas esta é uma abordagem diferente, e não será surpreendente se os pais concluírem que os filhos, afinal, adoraram assistir a um concerto de música clássica!
O Duarte e Letícia já tinham assistido a vários concertos antes, mas confesso que o interesse e atenção deles neste foi diferente.

Uma vez por mês, ao domingo de manhã. O preço do bilhete é de 2,50€,  uma quantia irrisória para um espectáculo de excelência. Se tiver oportunidade não perca. Aconselho a aquisição das entradas com alguma antecedência.

Até breve!

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Propostas de brincadeira para pais e filhos


Via, com instruções
Li estes dias um artigo sobre a mudança de hábitos alimentares dos portugueses, resultado da crise. Uma delas, é pedir nos restaurantes os restos para levar para casa. O proprietário de um, dizia que com a crise, os portugueses tinham perdido a vergonha. Que agora, até as sobremesas querem levar.

Sabe uma coisa? Eu acho muito bem. Está pago, portanto porque não há-de ser levado para casa e constituir uma outra refeição?!
A crise também tem coisas boas, e mudanças de atitudes e comportamentos têm-se feito, graças à malfadada crise.

Da alimentação aos brinquedos foi um salto. Lembrei-me que antigamente as pessoas faziam brinquedos em vez de comprá-los. E não num "antigamente" muito longínquo, apenas ali, na esquina da minha infância; recordo-me de alguns meninos com quem eu brincava os terem, e muitas vezes serem feitos por eles mesmos. Como os carrinhos de rolamentos. Ou as bonecas de trapos.

Entretanto, uma pessoa que eu conheço, contou-me que o marido e o filho de 5 anos, tinham passado um fim-de-semana a construir um castelo, com uma caixa de cartão. Falou-me com entusiasmo da alegria do filho, ao brincar no castelo dias e dias, e do orgulho quando dizia a quem o quisesse ouvir, que tinha sido construído por ele, e pelo pai.

Uma simples caixa de cartão pode proporcionar horas de convívio entre pais/filhos, constituindo um registo memorável, que há-de suplantar o momento de aquisição do brinquedo mais caro recebido! Quase que aposto.
Além disso, proporciona dias e dias de brincadeira a custo zero. Pode pedir-se mais do que isto?

Segue uma série de propostas para pais e filhos.
Uma máquina de lavar a roupa...

Via

Um palco para marionetas...

Via, com instruções

Um castelo...

Via
Um barco...

via
 e labirinto...

Via
Quem diria que tudo isto é possível fazer a partir de caixas de cartão? A imaginação é o limite!

Tenha uma óptima semana!

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Festa de aniversário - Tema: Cinema



Acho graça ao Duarte quando me vai dizendo que está demasiado crescido para isto e aquilo, no entanto sobre determinados assuntos, a idade já não interessa nada. Como a festa de aniversário.

Com certeza que temos sempre idade para celebrar; os temas das festas é que vão evoluindo; portanto, para festejar 12 anos, o tema escolhido foi o Cinema, com a exibição de Mr Bean em Férias. A hora da festa também sofreu uma alteração adequada, com inicio de sessão às 19h, prolongando-se pela noite, incluindo jantar.


Os convites foram inspirados na réplica de bilhetes de cinema

Escusado será dizer que o horário da Festa agradou sobremaneira aos convidados. Já não é de tarde, como as festas dos meninos pequenos.
Outra diferença foi a lista de convidados; as meninas foram "esquecidas" com uma honrosa excepção. Daqui a uns tempos também isto muda. 

Durante a sessão de cinema, os convidados tiveram à disposição uma mesa com snacks, pipocas, batatas fritas, amendoins, bolachinhas salgadas, gomas ácidas e refrigerantes.
Para o jantar, ainda no prolongamento da sessão de cinema, tivemos fast food. Caseiro! Cheeseburguer no pão, com bacon e batatas fritas. Doces, gelatina, salada de fruta e o bolo de aniversário.

Depois do jantar tivemos uma sessão de karaoke muito divertida! Curiosamente preteriram as músicas pop e rock, e optaram todos pelas músicas classicas da Disney. Doze anos e adolescentes?! Pois sim.

Foi uma festa muito divertida, o Duarte adorou e pareceu-me que todos os convidados também.

Até breve!

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Pára tudo! Acordo ortográfico adiado.

Via
Se eu estivesse a escrever segundo o novo acordo ortográfico, teria escrito "Para tudo! ".  "Para tudo, para pensar!"
Faz algum sentido?! Nenhum. E foi por este tipo de alteração que me opus ao acordo ortográfico. Este e outros, como o corte da raiz latina de imensas palavras. Pareceu-me uma insanidade que quisessem empobrecer a nossa língua materna, da forma descuidada e desnecessária como o estavam a fazer.

Os ingleses não fazem acordos ortográficos, e os franceses também não. Há séculos, segundo li, e no entanto compreendem-se bem.  Porquê nós?!

Porém, comecei a convencer-me da inevitabilidade deste acordo. Apesar de ninguém o querer, ou seja, milhões de falantes da língua portuguesa de diversas nacionalidades, contra meia dúzia de "eruditos", iria acontecer.
Então, comecei a tentar adaptar-me a esta nova forma de escrita. Mas não consegui. Parecia-me sempre que estava mal escrito, voltava atrás e corrigia. Para o Português bem escrito. Por isso, foi com uma imensa alegria que li a declaração da Sociedade Portuguesa de Autores sobre a não adopção do novo acordo ortográfico.

O Brasil adiou para 2016 uma decisão final sobre o acordo e Angola assumiu-se publicamente contra a entrada em vigor do mesmo. 

Afinal, as línguas são feitas pelos falantes ou pelos linguistas?! Uma lição básica de Linguística I, que os tais "eruditos" se esqueceram de ter em conta.
Que episódio tão lamentável.

Tenha uma óptima semana!

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Hoje é dia de...


Comer o primeiro gelado do ano! Se o tempo o permitir, porque queria imenso comer um gelado sentindo o sol, o calor, da Primavera! E as crianças nem se fala, como estão desejosas.

Então é assim, A Ben&Jerry’s, a única marca no mundo a produzir gelados 100% sustentáveis, tem o prazer de a convidar a celebrar o Free Cone Day”, no dia 12 de abril, na Praça de Gomes Teixeira (Praça dos Leões) no Porto.
Entre as 12h e as 18h, a marca, pioneira no lançamento de sabores certificados de Comércio Justo, vai oferecer gelados grátis a todos os que passarem por este local, desafiando-os a conhecer um dos seus “maiores segredos”: os grandes pedaços.
Com o objetivo de agradecer aos fãs a preferência, o “Free Cone Day” é uma tradição da marca que se realiza neste dia em todo o mundo desde 1979, ano em que se celebrou o primeiro aniversário da marca.
Em Portugal, o Free Cone Day comemora-se desde 2006 e este ano terá lugar em Lisboa e Porto.
Sexta-feira, dia 12 de abril, na Praça de Gomes Teixeira um verdejante prado e a mítica mascote da marca, a vaquinha Woody.
Um dos ícones de Ben&Jerry’s, a carrinha pão de forma, estará também no local, fazendo lembrar o ano de 1980, ano em que os fundadores da marca, Ben e Jerry, decidiram estender o negócio a restaurantes e supermercados locais, distribuindo os gelados com este veículo.
Será que nos vamos encontrar por lá?

Tenha um óptimo fim-de-semana!

terça-feira, 9 de abril de 2013

Tenho um filho adolescente!


Disse a flor para o pequeno príncipe: é preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas.
Antoine de Saint-Exupéry
Agora é oficial, o Duarte faz 12 anos hoje, e assim entra na adolescência até aos 18 anos.      
.....  Pausa para mim mesma; preciso assimilar esta informação que eu própria estou a redigir ....

Recentemente, li uma frase que dizia algo semelhante a isto: " No princípio vemos dedadas pequeninas, depois maiores. E depois desaparecem."

As dedadas marcam paredes, cadeiras, mesas, toalhas, e irritam-nos por vermos tudo sujo.

Brinquedos espalhados pela casa, objectos inesperados como um carrinho na gaveta das toalhas, revistas e capas de c.d. babados.
Porém, apenas vemos desarrumação.

Livros misturados com jogos, peças de Lego soltas e uma chupeta pelo meio.
E somente vemos desorganização.

As marcas de mãos minúscula nas paredes, junto aos degraus, fazendo um corrimão...
E só vemos sujidade.
Mas são esses sinais passageiros que denunciam a alegria de ter uma criança em casa. A evolução e crescimento dessa criança. No entanto, na ocasião, vemos apenas aquilo que é evidente.

Estas coisas vão desaparecendo. Uma a uma. Um dia, acordamos e não há mais nada. Passou. Um tempo que acabou, uma infância que terminou.

Entretanto, vamos descobrindo que novas coisas acontecem, sinais diferentes surgem pela casa, pelas paredes. Que a vida é assim mesmo. E que devemos desfrutar de tudo o que a vida nos traz. Mas...

Não é fácil, acordar um dia sem dedadas minúsculas na parede.

Até breve!

segunda-feira, 8 de abril de 2013

O mais internacional dos portugueses



Não, não é o Tony Carreira, que enche o Olympia em Paris. Nem sequer a Mariza, com muitos fãs no Japão. Ou mesmo Carminho, com a princesa Letízia de Espanha na plateia.

Buraka Som Sistema. Chama-se assim o grupo português mais internacional, que é ele próprio composto por dois portugueses, uma brasileira, um angolano e um moçambicano.
Não os conhecia, mas quando perguntei ao Duarte, ele respondeu-me com uma familiaridade descontraída: - Ah...Os Buraka? Sim, conheço.

Eu não quero ser daquelas mães que desconhecem totalmente a música que os filhos estão a ouvir. Daquelas mães desfasadas, porque "ai-que-horror-isso-não-é-para-mim". Quero conhecer os grupos, os cantores e as músicas, e dizer que gosto ou não gosto, com conhecimento de causa.

Os Buraka ( depois de ouvir algumas músicas e ler alguns artigos, acho que os posso tratar assim!) agradam-me pela representação da metáfora de 500 anos da História Portuguesa dos Descobrimentos.
Porque as letras deles são onomatopeias, entendíveis em todo o mundo, que não significam nada. E estou farta de letras com palavras que não dizem nada. Estas são mais honestas. N-a-d-a, apenas som.

Portanto, se quer acompanhar a playlist do seu filho, veja o vídeo que escolhi. Fui boazinha e optei por um sem graça. Porque os vídeos oficiais...nem queira saber. Afinal este é um blogue familiar. Fique por aqui.

Tenha uma óptima semana!

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Receita para o fim-de-semana: Arroz Doce da Avó



O melhor Arroz Doce que comi na minha vida foi num pequeno restaurante em Cascais, há muitos, muitos anos. Foi também o primeiro. E desde então nunca mais consegui repetir um Arroz Doce igual, ou sequer semelhante.
Com o tempo, convenci-me que tinha idealizado aquele sabor, e que nunca o reencontraria. Até descobrir esta receita recentemente; um Arroz Doce como deve ser, cremoso e delicioso.  

Receita, retirada ipsis verbis, do Duxa's Kitchen.
                                                                

                                                 Receita de Arroz Doce da Avó

Ingredientes:

100 g de arroz carolino
1,5 L de leite gordo
200 g de açucar
2,5 dl de água
4 gemas de ovos
casca de 1 limão
pitada de sal
1 pau de canela
canela em pó

Preparar:

Leve ao lume a ferver 2,5 dl de água com uma pitada de sal, o pau de canela e a casca do limão. Em seguida adicione o arroz. Quando a água evaporar, incorpore o leite fervente, o açucar, mexa de vez em quando. Deixe ferver mais um pouco (sempre em lume brando), até que o arroz absorva parte do leite e verifique que está a obter a cremosidade desejada.
Retire do lume. Bata as gemas com um pouco de leite ( +/-  2 colheres de sopa de leite) , junte ao arroz e envolva rápidamente com uma vara de arames. Volta ao lume brando uns minutos apenas para cozer as gemas.
Disponha o arroz nas tacinhas, decore com canela em pó. Deixe arrefecer e sirva morno ou frio.


Tenha um óptimo fim-de-semana!

terça-feira, 2 de abril de 2013

É fácil educar os filhos dos outros...


Via Etsy

Foi esta a conclusão da minha interlocutora, sobre pessoas que dão palpites a respeito da educação de filhos que não são seus.
E eu fiquei a pensar, o que resulta neste post.

Antes de ter filhos eu não sabia nada sobre educação de crianças, e essa ignorância não me pesava. Depois de ter sido mãe aprendi imenso e continuo a pensar que sei muito pouco. Porque simplesmente, ainda há tanto para aprender!
Tudo aquilo que eu aprendi, foi lendo, vendo como outras mães fazem, e ouvindo os seus conselhos. Há, no entanto, imensas coisas que eu sei, e sempre soube, intuitivamente. Há coisas que são muito fáceis para mim, e outras que eu prevejo nunca aprender, porque não vai dar tempo para tudo, nesta vida! Então, eu acho que todas as ajudas nesta aprendizagem são válidas; porque eu sei que não sou uma mãe perfeita, mas sou uma mãe interessada e empenhada em fazer o meu melhor.

Por conseguinte, se outra mãe tem algo para me ensinar, e eu posso beneficiar com isso, aprendo, aplico ou não, e agradeço. E muitas vezes, faço isso com outras mães; deixo uma sugestão, sugiro uma ideia para resolver determinado problema. E frequentemente, nem sequer  me perguntam directamente o meu conselho, mas ainda assim eu dou. Porque as conversas se proporcionam a isso,  as respostas são fluídas e instintivas.
Eu tenho noção que a minha experiência pode ser útil a outra mãe, a outra criança. Mas também sei que a minha sugestão pode não funcionar; porque o que resulta com uma criança, pode não resultar com outra. Tenho dois filhos e constato esta evidência a cada passo. Porém, se a mãe que me ouve achar que a ideia não é propriamente estapafúrdia, pode testar, e ver se resulta. Não perde nada com isso.
Contudo, se ficar fossilizada naquela ideia do "é fácil educar os filhos dos outros", e fazer ouvidos surdos, porque achou que aquela "sabetudo" não merece crédito, lamento... mas penso que pode estar a perder uma oportunidade, apenas por falta de humildade.

Uma mãe que tenta passar um conceito, uma sugestão, está apenas a querer ajudar outra mãe. Pergunte-lhe se ela se acha uma mãe perfeita; pergunte-lhe se ela pensa saber tudo, e nunca tem dúvidas. Vai encontrar uma mãe igual a todas as outras. Uma mãe em construção. Que acabou de dar um conselho a alguém, apenas, com o intuito de auxiliar uma sua igual.

Há situações que eu vejo noutras famílias, que me parecem de evidente resolução. Talvez quem esteja envolvido na situação não veja a solução tão claramente devido a essa mesma envolvencia. Mas se a distância me permite ver claramente, porque não hei-de eu dar o meu conselho? 

Nós, as mulheres, temos tanto esta coisa da competição. Entre nós. Nunca achamos que estamos do mesmo lado. Mas não, nós estamos todas no mesmo barco, e quando começarmos a ter essa consciência, de que podemos ajudar-nos mutuamente, aprender umas com as outras, e  partilhar ensinamentos apenas porque queremos transmitir o que sabemos, a maternidade será muito mais fácil.

E sem dúvida, o relacionamento entre nós muito mais solidário, mais justo e simples. Vamos convir... ninguém está aqui à espera da medalha de Mãe Perfeita!

Até breve!